terça-feira, 25 de outubro de 2011

PENALIDADES PARA A VIOLÊNCIA NO BRASIL





 Expressando minha opinião sobre a população brasileira e a violência, penso que, novas regras seriam necessárias, afim de minimizar atos de crueldade, e  injustiças investidas sobre inocentes e vulneráveis, 
que de alguma forma, mesmo com o amparo das leis, se sentem impotentes diante a inexprecividade das ações

processuais vislumbradas de ante-mão pelas próprias vítimas.

 Para a iniciação primária de um debate, que deverá se aprofundar ao longo das necessidades e do amadurecimento das idéias, seria vital propor alguns temas fundamentais a segurança e o bem estar da humanidade.

 Copiar alguns modelos de outros países seria coerente, como: o "Controle de Natalidade",uma prática que beneficiaria a população, diminuindo as dificuldades dos mais desprovidos, neste caso os Pais
minimizando os freqüentes abandonos de recém nascidos e o sofrimento de crianças, em relação "a falta de tudo"que obviamente acarretará à partir da revolta e a desilusão,  uma involuntária baixo- estima.

 Dia 25 de outubro, uma terça feira de 2011, uma matéria da rede globo, apresentada em um programa matinal, estimulava, no meu entender, a "PENA DE MORTE" no Brasil, fazendo um alerta aos políticos e a sociedade, sobre o aumento da violência, que foi mostrada de todas as formas através de vídeos, isso me fez refletir sobre este tema tão polêmico, a violência. Mas qual seria o tema principal, a violência ou a pena a aplicar? Depende do ponto de vista pessoal! Eu particularmente acho que estamos em grande número neste mundo, e que qualquer erro poderia ser desumano, tendo em vista que o Brasil vive um regime sócio- democrático, e que os direitos humanos estão em evidência e a disposição do cidadão, sem mencionar as culturas religiosas que nos fizeram acreditar que "Deus existe", e que em hipótese alguma, teríamos o direito de matar, sem que isso fosse uma ato de crueldade e uma iniciativa desumana.

 Por isso, meu apelo é que se busque alternativas eficazes  e coerentes em relação ao comportamento humano, e as regras que nós próprios criamos, tendo a completa sensibilidade no inicio dos debates, para que não rumemos equivocadamente, e com o receio e os prejuízos de ter que retroceder.

domingo, 16 de outubro de 2011

Saga dos Mineiros Gaúchos...


Mineiros bloqueiam ponte do Guaíba em defesa do emprego - 14/10/2011


 


                        SAGA DOS MINEIROS GAÚCHOS 

Porto Alegre/RS - Cerca de 300 mineiros da Região do Baixo Jacuí bloquearam as duas pistas da BR-290, nas proximidades da ponte do lago do Guaíba, desde as 8h da manhã de hoje (14). O protesto visa sensibilizar o Governo Federal para que reveja a exclusão do Carvão Mineral do Leilão A-5 e, consequentemente, da matriz energética brasileira.

Nos dias 1 e 2 de setembro o grupo já havia bloqueado a mesma rodovia, na rótula do município de Minas do Leão.

Para Oniro Camilo, presidente do Sindicato dos Mineiros do RS, a discriminação do carvão é inadmissível, já que a média mundial de utilização do mineral é de 41%, sendo que na África do Sul - país que será visitado pela presidente Dilma Rousseff nos próximos dias - é de 93%.

No Brasil o carvão mineral corresponde a 1,5% na matriz energética.


ILHA DA NOTÍCIA 

                         MAS...A GUERRA CONTINUA!                                                                                            Por João Couto
   É neccessário acrescentar que participaram desse extraordinário evento - extraordinário porque nunca movimento algum tivera, até agora, a ousadia de bloquear o acesso a Porto Alegre para quem vai do Sul - cerca de 120 cidadãs e cidadãos de Candiota, Hulha Negra e Pinheiro Machado. Participaram o Prefeito de Candiota Luiz Carlos Folador, os vereadores João Couto e Giselma Pereira do PT, José Vítor, Liliane Martins e Marco DalMolin do PMDB, Celso Santos e Guilherme Barão do PDT e a Vereadora Iara de Hulha Negra. A representação sindical também foi marcante com a presença do Presidente do Sindicato dos Mineiros de Candiota Wagner Pinto e vários outros membros da direção, bem como do SIMCA, representado por diversos integrantes. A ACISA/CDL foi muito bem representada, inclusive por seu secretário o jovem Pablo Lima e cidadãs e cidadãos de várias comunidades, inclusive, rurais.

   Extensa região de Porto Alegre teve o trânsito congestionado por várias horas, notadamente os bairros da Zona Norte e perifereia do Centro, como Navegantes, Farrapos, Higienópolis, Independência, Bom Fim Floresta, Passo da Areia e o próprio Centro. Na direção do Sul, ao longo da rodovia o engarrafamneto estendeu-se até às proximidades da entrada de Guaíba conforme mostraram imagens da Rede Globo já ao meio-dia do dia 14 de outubro. A imensa fila de veúculos ia além do entroncamento das estradas BR-116 e BR-290.

   Muitas pessoas demonstraram muita incomodidade com a paralisação. Todavia receberam toda a atenção dos manifestantes que lhes explicaram os importantes motiovos desse ato. Era necessário para que as lideranças do Movimento Pró-Carvão obtivessem uma audiência com a Presidente Dilma a fim de cobrar a inclusão nos Leilões A - 5 as usinas térmicas a carvão mineral. A inclusão impedirá o fechamento de várias usinas com a terrível consequência da perda de milhares de empregos e seus cruéis desdobramentos, que todo mundo conhece e nem é bom lembrar. A inclusão, por outrro lado, cria as condições para a construção de outras novas usinas, o que virá a gerar milhares de empregos novos, muita distribuição de renda e grande impulso no desenvolvimento da extensa região carbonífera do País, que se estende desde o sudeste paranaense até o extremo sul do Rio Grande, na Região da Campanha.

   Por volta das onze horas foi fechado um acordo com o Senador Paulo Paim, cujo apoio tem sido extremamente valioso, a estrada foi liberada e uma comissão formada pelo Prefeito de Candiota Luiz Carlos Folador, o Vereador Dedé das Tintas, de Butiá, os presidentes dos dois sindicatos de mineiros, de Butiá e Candiota, Oniro Camilo e Wagner Pinto, foi conduzida em duas viaturas da Polícia Rodoviária Federal até o Palácio Piratini onde, por vo.lta das quinze horas, Oniro Camilo foi recebido pela Presidente e, na entrevista, foi acertado formar uma comissão de trabalho, com membros do Movimento Pró-Carvão dos tres estados envolvidos, para apresentar ao Ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, um relatório.
   A audiência, a formação da comissão que vai elaborar o relatório e terá uma próxima audiência com o Minisatro Gilberto Carvalho são o resultado positivo da ousada e exitosa manifestação que, naquele local e daquele modo, nem mesmo o MST já fizera. O êxito dessa dura empreitada deve-se à coragem da escolha do local, à precisão dos movimentos e à firmeza na condução do movimento pela Comissão Organizadora e à determinação e brilhante capacidade de luta daquele conjunto de mulheres e homens na busca de seus direitos e direitos de muitas outras pessoas que serão beneficiadas com os resultados exitosos desta memorável luta. Porém é necessário que se diga: vencemos uma grande batalha, mas... a guerra ainda continua.